Tudo começou em 1995, quando Helvio Mation, participando de uma distribuição de sopa para pessoas carentes próxima ao Portal do Morumbi, conheceu crianças muito pobres que vinham de longe para tomar um prato de sopa. Sensibilizado com a situação dessas crianças, Helvio perguntou onde moravam e um dia foi conhecer o local acompanhado por uma delas. Tratava-se de um vale na região do Grotão de Paraisópolis, com expressivas carências de infraestrutura e saneamento básico. Impressionado com a situação precária das famílias, ele resolveu comprar um pequeno espaço de terra onde foi construído, em regime de mutirão, o "barraco" que é hoje a sede da Casa da Amizade. O objetivo era criar um centro comunitário e promover ações de melhoria da qualidade de vida da comunidade. Iniciou-se em agosto de 1995 a distribuição de alimentos (verduras, legumes e frutas) aos sábados. Estes alimentos provinham principalmente de supermercado da região, que disponibilizava seus produtos excedentes; os voluntários encarregavam-se de fazer a triagem do material aproveitável dentro da própria loja e transportá-lo para Paraisópolis. No início a distribuição de alimentos atendia aproximadamente 70 famílias. Encerrada a parceria com o supermercado em 2001, todo alimento hoje distribuído provém do CEAGESP. Atualmente a Casa da Amizade atende semanalmente cerca de 120 famílias fornecendo cerca de 8 kg de alimento a cada uma.

Outros voluntários foram se agregando. Constatada a grande afluência de crianças que acompanhavam suas mães nas manhãs de sábado, começamos a disponibilizar um lanche preparado por mulheres da comunidade.

Considerando a escassez de espaços de lazer na comunidade e a exiguidade de espaço dentro das moradias, ambos elementos típicos das regiões de favela na metrópole paulistana, criou-se em 1997 um pequeno parque infantil em frente à Casa. A meta deste projeto era propiciar local para as crianças brincarem e também conter minimamente a "asfixia" provocada pelo adensamento da população. Através de pacto com alguns moradores mais sensibilizados com a questão ecológica, conseguiu-se com grande esforço que 3 árvores se desenvolvessem no parque público, proporcionando uma sombrinha agradável, inédita na vizinhança (foto).

Durante 2 anos foram oferecidas diariamente aulas de capoeira para crianças e adolescentes nos finais de tarde.

Por 3 anos funcionou no local um atendimento médico com algumas técnicas de medicina alternativa, sendo atendidas mensalmente cerca de 50 pessoas. O serviço foi descontinuado no momento em que voltou a funcionar em plena carga o atendimento do posto de saúde local, que, por motivo de reformas, operava até então com capacidade limitada.

Em 1998, um grupo de estudantes da FEA-USP desenvolveu uma proposta para criação do Projeto Trajetória, que tinha como objetivo oferecer curso profissionalizante e reforço escolar à mesma comunidade atendida pela Casa da Amizade, bem como oferecer ao universitário a oportunidade de conhecer a realidade de sua cidade e "fazer a diferença". Iniciou-se aí uma parceria. Com essa proposta, os universitários participaram do concurso FENEAD: a equipe vencedora receberia uma verba mensal durante um ano para manter o projeto. Eles não foram contemplados mas, mesmo assim, imbuídos pela responsabilidade social, começaram o Projeto, iniciado em dezembro de 1998 com um curso de silk-screen em camisetas. O projeto foi mantido por 2 anos com ênfase no reforço escolar e na produção de camisetas para eventos universitários. Os universitários montaram a estrutura organizacional e jurídica de uma ONG (sociedade civil de interesse privado), que foi então herdada pela Casa da Amizade em seu processo de consolidação.

Com a percepção de que algumas atividades comunitárias eram prejudicadas pela exiguidade do espaço na sua modesta "sede" (hoje denominada Sala Sol), em 2003 a Casa da Amizade adquiriu uma outra casinha em frente à pracinha no Grotão. Concluímos em março de 2004 a instalação de uma sala de aula de 25 m2 com banheiro adaptado para deficientes – a chamada Sala Amazônia -, onde passou a funcionar o reforço escolar, uma classe noturna de alfabetização de adultos, dinâmicas de grupo com gestantes e aos sábados uma oficina de artes para as crianças

Em 2005 foi adquirido um imóvel de 50 m2 adjacente à sala Sol, reformado em 2006 como sala de aula (Sala Céu) e integrado à sede original com rampa para cadeirantes. Esta ampliação de espaço viabilizou, em 2007, a criação de 3 turmas simultâneas de reforço escolar. Nas oficinas infantis passou-se então a atender até 50 crianças a cada sábado, organizadas em 3 grupos simultâneos: 4 a 5 anos na sala Sol, 6 a 8 anos na sala Céu e 9 a 12 anos na Sala Amazônia. Aos voluntários desde 2006 é oferecida anualmente uma capacitação de 6 horas como monitores de oficinas infantis. Desde 2011, as educadoras da Casa da Amizade participam anualmente de uma capacitação de 2 dias com coordenadora pedagógica experiente no início do ano letivo para avaliar o trabalho desenvolvido e fundamentar o planejamento das aulas e da Mostra Cultural.

Ao final de 2005, no âmbito do Programa de Urbanização de Paraisópolis, a Prefeitura Municipal de São Paulo avaliou como área de alto risco geotécnico parte do setor 064, próximo à Casa da Amizade. Medidas de remoção de cerca de 100 famílias da área de encosta foram aplicadas pela PMSP; os planos de urbanização subsequente, programados para o segundo pacote de obras, sofreram atrasos relacionados à tramitação da concorrência para o primeiro pacote.

Como resultado de uma reflexão sobre a carência de áreas de lazer em Paraisópolis e seus impactos sobre a qualidade de vida e as alternativas de ocupação do tempo dos jovens da comunidade, em 2006 e 2007 a Casa da Amizade manteve diversos contatos e propôs à PMSP um projeto de ocupação da área para finalidades esportivas. Os espaços esportivos (m2/habitante) disponíveis no Grotão eram e continuam sendo bastante abaixo de níveis urbanísticos minimamente aceitáveis. As crianças nesta área moram em casas bastante pequenas e frequentemente ficam sozinhas no contra-turno escolar pois, em geral, fazem parte de famílias chefiadas por mulheres chefes de família, que trabalham fora para suprir necessidades básicas.

Neste contexto, a Casa da Amizade se engajou em 2007 em um esforço especial para construir a Quadra da Amizade. Ela era composta de uma quadra multipropósito, uma pequena quadra de basquete, uma área verde e uma arquibancada, buscando simultaneamente promover a contenção do risco geotécnico de uma área de encosta próxima à Casa da Amizade. Veja esta foto e outra da condição local antes da obra em janeiro/2006 (após a demolição pela Prefeitura Municipal de São Paulo de cerca de 100 moradias em risco no setor 064) e foto da obra em andamento em janeiro/2008. O diagrama 3D mostra o conceito do projeto arquitetônico, incluindo o fechamento lateral e superior da quadra com alambrado, para viabilizar o lazer sem perturbar a vizinhança.

O sonho foi concretizado (foto) com recursos financeiros de parceiros importantes, a saber United Nations Womens Guild of Vienna, Instituto Afranio Affonso Ferreira e Bahema S.A. A Quadra da Amizade iniciou suas operações em 2008 com um Programa de Esportes que se iniciou em um único período e no ano seguinte passou a funcionar de manhã e de tarde priorizando crianças e jovens da região do Grotão (foto). Infelizmente, em meados de 2013, estas instalações tiveram que ser demolidas em função das obras do Plano de Urbanização de Paraisópolis: a maioria das edificações do setor 064, incluindo a Casa e Quadra da Amizade, foram postas abaixo para abertura de frente de obras para construção do Parque da Sanfona (foto), (foto), (foto). Lamentavelmente vieram ao chão até as 3 árvores do parquinho, únicos vestígios de verde em um raio de cerca de 500m (foto). Como mecanismo de compensação pela perda de suas instalações, a Superintendência de Habitação da Prefeitura Municipal de São Paulo firmou um Compromisso de Atendimento para Fins Institucionais, que concede à Casa da Amizade autorização para uso de um terreno na vizinhança, para edificação de uma sede própria. Está em andamento a regularização fundiária deste terreno. Para evitar descontinuidade de suas atividades, a Casa da Amizade foi transferida para instalações provisórias e desde 01/08/2013 está funcionando em uma casa azul e branca de madeira nas proximidades. As aulas de esportes da Casa da Amizade estão acontecendo na quadra da EMEI Roberto Burle Marx, graças ao importante apoio de sua diretora. Porém, com o início da operação da Avenida Perimetral, que cruza o Grotão de Paraisópolis unindo o CEU à UBS III/AMA/CAPS, o plano da Casa da Amizade é montar uma quadra de esportes dentro de suas instalações provisórias, evitando assim que seus alunos façam um trajeto relativamente longo e arriscado na travessia da movimentada avenida para acesso à EMEI.

Buscando valorizar seu entorno e a questão do meio ambiente, virou tradição desde 2005 comemorar com centenas de crianças e pais o aniversário da Casa da Amizade com um passeio ao Parque Burle Marx. Democratiza-se assim um espaço público de alta qualidade e muito acessível aos moradores do Grotão – apenas 15 minutos de caminhada são suficientes!

Procurando expandir os horizontes das crianças da comunidade para além dos limites de Paraisópolis, desde 2006 a Casa da Amizade vem promovendo uma série de passeios culturais a destinos variados: pontos de interesse do bairro (ex: estádio do Morumbi, Parque Alfredo Volpi), museus (ex: Estação Ciência, Museu Paulista, Butantã, Catavento), teatros, etc. Os passeios com maior popularidade são a ida à praia de Santos em fevereiro para as crianças pequenas e os fins de semana em um sítio em Bragança Paulista para os adolescentes.

Durante 13 anos, a Casa da Amizade promoveu distribuição de cestas de Natal às famílias da comunidade, começando com 200 em 2005 e chegando a 1.000 no período 2006-2008. A partir de 2009, a Casa da Amizade optou por restringir esta ação às cerca de 100 familias cujos filhos frequentam os programas educacionais da entidade.

A estrutura organizacional e jurídica da ONG herdada da fase do Projeto Trajetória foi consolidada em 2005 através de novo estatuto adequado para atender os requisitos do novo Código Civil - a ONG passou a ser então oficialmente denominada Associação Amigos da Casa da Amizade. A partir de 2007, passamos a contar com o apoio da Resolutu Soluções em Serviços, que competentemente vem cuidando da contabilidade da Associação.

Além de eventos semestrais de confraternização dos voluntários, desde 2006 a Casa da Amizade realiza, no início de cada ano, uma reunião de planejamento anual. Para este momento, os voluntários são convidados a refletir junto com a Diretoria da entidade, fazendo um balanço das atividades realizadas no ano anterior, uma sessão de lições aprendidas e uma consolidação dos planos por área de atividade (educação, esportes, gestantes, participação comunitária, etc).

Em abril de 2010 a Casa da Amizade passou a receber apoio financeiro da Federico Foundation para financiar parte de seu projeto educacional.

Em meados de 2010, sensível aos desafios que uma comunidade socialmente vulnerável apresenta a jovens, a entidade implantou um Programa de Jovens voltado a adolescentes de 5a a 7a séries, com programa diário no contra-turno escolar. A implantação do programa foi precedida de uma série de visitas a programas equivalentes em outras instituições tais como o reforço escolar da Bovespa, a Educação Cidadã do Programa Einstein na Comunidade, a Monte Azul e a Escola Lumiar. Em 2013, consciente de que os vínculos com adolescentes requerem estratégias e linguagens especificas, a Casa da Amizade passou a promover atividades aos sabados dedicadas exclusivamente a esta faixa etária, formando o grupo “Junto e Misturado”.

Estatuto da entidade (PDF - 402 KB)